sexta-feira, 24 de abril de 2015

(Devaneios): Uma epifania demoniaca


Tive uma epifania agora (não epifania filosófica, mas uma epifania no sentido de aparição, algo que beirou ao fantasmagórico, pois impregnou minha retina e meus ossos e não quer sair) e preciso deixar registrado, pois acho que nunca mais passarei por tamanha aparição.

Nesse momento sei que, de fato, nunca poderei aspirar a mais do que tenho, porque sei que dificilmente passarei por privação de um desejo maior do que acabo de testemunhar.

Não sei o que deu em mim, pois decidi ir a um local que não vou há bastante tempo. Não sei o que deu, pois fui almoçar em um local ao qual fui somente uma única vez.

O fato é que decidi ir ao tal local e decidi almoçar no outro local. Tudo conspirou para que eu chegasse no exato momento e encontrasse a cena que encontrei.

Quando entrei não acreditei no que  meus olhos viram. Ao primeiro instante, só isso já seria o suficiente para um surto psicótico e para um "chutar" o balde e querer tudo pra mim. Porém, bastou algumas frações de segundo para que virasse o rosto e visse a união mais indescritível de coisas belas e desejáveis.

Se a primeira visão foi suficiente para uma carga extraordinária de adrenalina, as demais então, me atordoaram. Quase gritei a plenos pulmões "quero tudo pra mim". Claro que resisti ao primeiro impulso e apenas soltei um longo suspiro.

Assim, como o mais vira-lata dos vira-latas, coloquei o rabo entre as pernas, e tratei de sair de perto de tão espetacular e tentadora visão.

Fuga é o que resume minha trajetória nesse planeta. Acho que sou um fugitivo de algum lugar distante. É assim que me sinto. Tudo que temo, fujo, tudo o que desejo, sou obrigado a fugir.

No momento, com a minha taxa de decrepitude em elevação geométrica, não me resta mais nem imaginar o mundo, a galáxia ou o universo de prazeres que poderia ter com tantas coisas desejáveis.

Neste momento, encontro-me em meu refúgio, longe, com fone de ouvido para não ouvir, com a cabeça enfiada no teclado para não pensar sobre isso. Melhor não imaginar.

Se isso não for prova da existência de livre arbítrio, então não sei o que seria. Mas, o que poderei fazer com tamanho desejo? Nada, por suposto.

Será que, após essas conclusões, poderia também dizer que passei por uma epifania filosófica?

Talvez sim, se pensar em minha reduzida capacidade mental dos últimos anos. É o velho ditado, "em terra de cego, quem tem um olho é rei". Encontro-me tão limitado, que voltei, ou tento voltar, às minha práticas solitárias como única coisa que me resta de alegria e prazer e possibilidade de felicidade. Então, talvez tenha tido uma confirmação sobre o que me faz feliz.

Será que, se me fosse possibilitado um valor infindável de recursos e uma beleza e juventude a toda prova, eu poderia resistir a isso? Eu poderia resistir e não  provar do que vi hoje?

Absorto com tais pensamentos, será que ainda sobrou tempo para aquilo que pensava que faria por aqui?




segunda-feira, 9 de março de 2015

(Poema): Que saibam todos

free image in http://www.freeimages.com/photo/1399296 by Cieleke

Queria apenas deixar registrado que amo teu sorriso. Amo sim.
deixar evidenciado a minha paixão por teu jeitinho, por teu falar, teu andar.
ficar claro que não há condições para o meu amor.

Queria que todos soubessem o quanto você é importante para mim,

preciso que o mundo inteiro seja testemunha disso,
é necessário que não exista dúvidas sobre a minha entrega, a minha sujeição,

Para que, mesmo daqui a anos e décadas,

quando nem eu mesmo der conta deste momento,
eu tenha muitas pessoas que atestem que era verdade,

Era verdade que, quando o meu espírito ainda habitava e governava meu mundo, e que,

quando minha consciência não era apenas uma vaga lembrança
e eu podia responder por mim mesmo,

eu deixei registrada a minha paixão sem concessões por ti, minha filha.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

(Devaneios): Medos

free image in http://www.freeimages.com by porah
O medo permeia o ar. Por onde ando vejo-me tomado por um medo que a tudo e a todos invade.

Não tenho para onde olhar e não sentir medo. Às vezes até um pânico denso me toma e sinto desejo de correr, fugir, sair do contato do olhar das pessoas, sair do escafandro de meu corpo. Escapar do túmulo onde me alojo. Mas é tão denso esse medo que falta-me ar, falta-me movimento, falta-me campo de visão, saber para onde irei, caso volte-me a respiração e os movimentos.

É fácil sentir medo por aqui. É muito fácil sentir medo no Brasil.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

(Pensamentos): Sobre o Passe Livre

free image on http://www.freeimages.com/photo/1062451 by CMSeter
Sempre que encontro alguma noticia de meu interesse pelos sites de jornais, sejam os grandes, sejam aqueles mais obscuros e apenas virtuais, eu gosto de fazer um comentário.

Aliás, um dos motivadores para que eu leia um artigo na Internet é a possibilidade de poder comentar, de dar meu pitaco, de falar aquilo que penso do assunto. Odeios os jornais, sites ou blogs que não permitem comentários dos leitores, ou que reduzem esse comentário a algumas dúzias de letras, como se eu quisesse somente dizer "porque sim" ou "porque não". Absurdo!


terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

(Devaneios): Canos e fluídos podem ser felizes?

free image on http://www.freeimages.com/photo/100645 by xmimicx
Desejos, o que são, como serão? Será que adianta tê-los, se não for para saciá-los?

Nesse momento sinto dores. Dores na perna. Quais serão as causas dessa dor em minha vida?

Diabetes? Reflexos da hérnia de disco? Problemas circulatórios na perna?

Não sei. Tenho apenas vislumbres desses motivos, pois, na verdade mesmo, o que importa são os efeitos, as consequências. A partir delas, posso até desejar uma causa ou outra.